Notícias

  • Mar

    13

    2020

ACED e Banco do Brasil realizam Divulga FCO dia 19

A Associação Comercial e Empresarial de Dourados e o Banco do Brasil, realizam no próximo dia 19, o “Divulga FCO”. O evento será realizado no auditório da ACED a partir das 8h30, com entrada gratuita aos empresários interessados em conhecer a linha de crédito.

Com mais de R$ 2 bilhões disponíveis para financiamento do Fundo Constitucional do Centro-Oeste (FCO) em Mato Grosso do Sul, sendo R$ 1 bilhão para o setor empresarial e R$ 1 bilhão para o setor rural, o Banco do Brasil realiza neste mês ações de divulgação em todo Estado. As ações serão realizadas em parceria com a Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), Faems (Federação das Associações Empresariais de MS) e o Sebrae.

De acordo com o gerente geral, da Agência Empresa Dourados, Andre Brecailo Kloeckner, esse é o melhor momento para realizar um financiamento pelo FCO. “Hoje o FCO faz o papel de fomento às culturas no Estado. Tem auxiliado o desenvolvimento e a expansão dos setores produtivos, bem como tem possibilitado ao produtor rural, adquirir máquinas novas e modernas. Já no setor empresarial, o fundo auxilia na abertura e na ampliação de novos negócios”, explicou Andre.

Para o presidente da ACED, Nilson Santos, além de aquecer a economia, os recursos da linha FCO geram emprego e renda para a população, promovendo o desenvolvimento econômico e social. “Essa parceria é uma grande oportunidade aos empresários associados da nossa Associação, para tirar dúvidas e conhecer como funciona o FCO”, disse Nilson.

Segundo dados do Conselho Estadual de Investimentos Financiáveis pelo FCO, somente nos dois primeiros meses deste ano, Mato Grosso do Sul contratou R$ 146 milhões em recursos do FCO (Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste). Mais de R$ 1 bilhão já está internalizado e em processo de contratação. O setor rural segue com mais demanda pelo crédito. Entre janeiro e fevereiro, o setor contratou R$ 102 milhões por meio de 191 contratos e internalizou processos que somam R$ 518 milhões. Enquanto o segmento empresarial contratou R$ 44 milhões em 88 operações e tem R$ 402 milhões em fase de análise.